Mitos e Verdades Científicas sobre a Cafeína

Por Flávio Passos com a colaboração de Pedro Ivo

 

Diariamente bilhões de pessoas contam com a cafeína para um impulso para suas atividades. É dito por pesquisadores que a cafeína é o principal propulsor do desenvolvimento material do mundo ocidental.

De fato, este estimulante natural é um dos ingredientes mais utilizados no mundo (1).

Por muito tempo o café e a cafeína foram demonizados como alimentos danosos, mas recentemente estudos recolocaram o café como um alimento benéfico e inofensivo quando ingerido com moderação.

Hoje é seguro considerar seu copo diário de café ou chá como uma maneira agradável de promover boa saúde. Desde que, é claro, sua individualidade esteja de acordo com isto. Nada é universal, coisas diferentes funcionam para pessoas diferentes. Café não é para todo mundo… mas faz a diferença na vida de MUITA gente.

Este artigo examina as pesquisas mais recentes sobre a cafeína e seus efeitos na saúde, abordando alguns dos principais mitos construídos ao redor da bebida.

 


 

O Que é Cafeína?

A cafeína é um estimulante natural comumente encontrado em chás, café e chocolate (aqui associada à teobromina). Funciona estimulando o cérebro e o sistema nervoso central, ajudando a nos manter alertas e prevenindo o cansaço.

Alguns historiadores afirmam que o primeiro chá foi oficialmente preparado na data de 2737 A.C (1). Relata-se que o café foi descoberto muitos anos depois, quando um pastor etíope notou a energia extra que comer um certo grão selvagem proporcionava às suas cabras.

Refrigerantes cafeinados entraram no mercado no fim de 1800 e as bebidas energéticas apareceram logo em seguida. Atualmente 80% da população mundial consome algum produto cafeinado todos os dias e este número chega à 90% quando aplicado à adultos na América do Norte (1).

A cafeína é um estimulante natural consumido mundialmente. A maior parte das pessoas a consome através do café, chá, refrigerantes, bebidas energéticas e chocolates.

 


 

Como Funciona?

Ao ser consumida, a cafeína é rapidamente absorvida pelo intestino e vai para a corrente sanguínea, pela qual é transportada até o fígado. Lá ela é quebrada em compostos menores que afetam as funções de vários órgãos. O principal efeito da cafeína acontece no cérebro, bloqueando os efeitos da adenosina, um neurotransmissor que relaxa o cérebro e nos faz sentir cansados (2).

Normalmente os níveis de adenosina vão crescendo ao longo do dia, aumentando a sensação de cansaço e a vontade de ir dormir. Isto é bom, pois lhe conduz ao repouso, importante pilar da Saúde. Portanto, tomar café de noite (para muitos, a partir de 16hs) pode prejudicar a qualidade de seu repouso.

A cafeína ajuda a nos manter despertos ao se conectar aos receptores de adenosina no cérebro, sem ativá-los. Isto bloqueia o efeito da adenosina, diminuindo o cansaço (3).

Também aumenta os níveis sanguíneos de adrenalina e a atividade dos neurotransmissores dopamina e norepinefrina no cérebro (3)

Esta combinação estimula ainda mais o cérebro e promove um estado desperto, de alerta e foco. Por afetar o cérebro, a cafeína é frequentemente referida como uma droga psicoativa.

O efeito costuma aparecer rapidamente, por exemplo, a quantidade de cafeína em uma xícara de café pode levar apenas 20 min para alcançar a corrente sanguínea e por volta de uma hora alcança sua potência máxima (1).

 


 

O que é uma ingestão moderada de cafeína?

De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) e também com a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA) Uma ingestão considerada moderada de cafeína para um adulto é de 300 a 400 mg por dia. É claro que isto é apenas uma referência, e a sensibilidade individual é sempre a melhor medida.

Para ajudá-lo a calcular o que isso significa em termos de porções, abaixo você confere a quantidade de cafeína em suas fontes mais comuns.

Para cada 240 ml de bebida:

  • Café expresso: 240-720 mg.
  • Café coado: 102-200 mg.
  • Erva-mate: 65-130 mg.
  • Bebidas energéticas: 50-160 mg .
  • Chás prontos : 40-120 mg .
  • Refrigerantes: 20-40 mg .
  • café descafeinado : 3-12 mg .
  • bebida de cacau: 2-7 mg .
  • achocolatado com leite : 2-7 mg .

 

Alguns alimentos também contêm cafeína. Por exemplo, 28 gramas de chocolate ao leite contém 1-15 mg, enquanto que 28 gramas de chocolate escuro tem 5-35 mg (4).

Você também pode encontrar a cafeína em alguns medicamentos com prescrição médica ou de venda livre como antigripais, antialérgicos e analgésicos.

 


 

Mitos sobre a Cafeína

MITO 1: Cafeína VICIA.
FATO: As pessoas sempre dizem que são “viciadas” em cafeína da mesma maneira que dizem que são “viciadas” em comprar, trabalhar ou assistir à TV. A cafeína não vicia pelas definições aceitas e de acordo com a maior parte das autoridades. Quando o consumo regular de cafeína é abruptamente interrompido, alguns indivíduos podem sentir dor de cabeça, fadiga ou sonolência. Estes sintomas geralmente duram apenas um dia, e podem ser evitados se a ingestão de cafeína for diminuída gradativamente.

MITO 2 : A cafeína aumenta o risco de doença cardíaca.
FATO: Estudos em ampla escala mostraram que o consumo de cafeína não aumenta o risco de doença cardiovascular e não aumenta os níveis de colesterol nem causa batimento cardíaco irregular. Um aumento ligeiro e temporário na pressão sanguínea foi observado com o consumo de cafeína entre indivíduos que são sensíveis à cafeína. No entanto, o aumento é similar àquele resultante de atividade normal, tal como subir escadas. Ainda assim, pessoas hipertensas devem consultar seu médico a respeito da ingestão de cafeína.

MITO 3: A cafeína causa câncer.
FATO: Evidências científicas substanciais demonstram que a cafeína não aumenta o risco de câncer. Dois estudos com grandes números de pessoas na Noruega e no Havaí e uma revisão de treze estudos envolvendo mais de 20.000 indivíduos não verificou nenhuma relação entre o consumo regular de café ou de chá e o risco de câncer.

MITO 4: A cafeína é um fator de risco para a osteoporose.
FATO: Alguns estudos sugerem que a ingestão de cafeína pode aumentar a perda de cálcio pela urina. No entanto, foi verificado que qualquer perda é mínima, e a ingestão de cafeína em níveis normais não parece afetar o equilíbrio de cálcio ou a densidade óssea. Estudos mais recentes confirmaram que a ingestão de cafeína não é um fator de risco para a osteoporose, particularmente em mulheres que consomem cálcio de maneira adequada.

MITO 5: A cafeína afeta adversamente a saúde das crianças.
FATO: As crianças geralmente têm a mesma capacidade de processar a cafeína que os adultos. Estudos mostraram que alimentos e bebidas contendo cafeína, quando tomados moderadamente, não têm nenhum efeito detectável sobre a hiperatividade ou a capacidade de concentração nas crianças. No entanto, em crianças sensíveis, altas doses de cafeína podem temporariamente causar efeitos tais como excitabilidade, irritabilidade ou ansiedade.

MITO 6: Não há efeitos positivos da cafeína.
FATO: A cafeína é bem conhecida por aumentar os níveis de atenção e concentração. Uma xícara de café ou de chá é sempre recomendada para combater a sonolência, especialmente para aqueles que dirigem longas distâncias, e muitas pessoas recorrem a uma xícara para retornar ao trabalho depois do almoço. Estudos mostraram que a cafeína também pode melhorar a memória e o raciocínio lógico.

Entretanto, os estudos sobre a Cafeína vão bem além, revelando uma grande variedade de benefícios importantes.

 


 

Benefícios da Cafeína

A Cafeína Pode Melhorar o Humor e a Função Cerebral

Conforme detalhado, a cafeína tem a capacidade de bloquear no cérebro a molécula de sinalização adenosina.

Isto provoca um aumento de outras moléculas de sinalização, como a dopamina e norepinefrina (5, 6).

Pensa-se que esta mudança de mensagens no cérebro melhora o estado de humor e as funções cerebrais.

Uma revisão relata que após a ingestão de 37.5-450 mg de cafeína pelos participantes, ocorreram melhoras no estado de alerta, memória de curto prazo e tempo de reação (1).

Além disso, um estudo recente conectou beber duas a três xícaras de café com cafeína por dia a um risco 45% menor de suicídio (7).

Outro estudo relatou um risco 13% menor de depressão nos consumidores de cafeína (8).

Quando se trata de humor, mais cafeína não é necessariamente melhor. Na verdade, um estudo verificou que uma segunda xícara de café não produziu benefícios adicionais, a não ser que tenha sido consumida, pelo menos, 8 horas após a primeira (9).

Beber entre três e cinco xícaras de café por dia pode também reduzir o risco de doenças do cérebro, como Alzheimer e Parkinson em 28-60% (10, 11, 12, 13).

Resumindo: A cafeína pode melhorar o humor, reduzir a probabilidade de depressão, estimular o funcionamento do cérebro e proteger contra a doença de Alzheimer e de Parkinson.

 

A Cafeína pode Acelerar o Metabolismo e Acelerar a Perda de Peso

Devido a sua capacidade de estimular o sistema nervoso central, a cafeína pode acelerar o metabolismo em até 11% e a queima de gordura em até 13% (14, 15, 16)

Em termos práticos: consumir 300 mg de cafeína por dia pode fazer com que você queime 79 calorias extras por dia (17).

Esta quantidade pode parecer pequena, mas é aproximadamente o valor do excesso de calorias responsáveis pelo ganho de peso médio anual de 1 kg em americanos (18).

Resumindo: A cafeína pode acelerar o metabolismo e promover a perda de gordura.

 

A Cafeína Pode Melhorar o Desempenho do Exercício

Quando se trata de exercício, a cafeína pode aumentar a utilização de gordura como combustível.

Isso é benéfico pois pode ajudar a glicose armazenada nos músculos durar mais, atrasando o tempo que leva para os músculos alcançarem a exaustão (20, 21).

A cafeína também pode melhorar as contrações musculares e aumentar a tolerância à fadiga (1).

Pesquisadores observaram que doses de 5 mg / kg de peso corporal melhoraram o desempenho de resistência em até 5%, quando consumidas uma hora antes do exercício (22).

Pesquisa mais recentes relataram que doses tão baixas quanto 3 mg / kg de peso corporal podem ser suficiente para colher os benefícios (23).

Adicionalmente, estudos relatam benefícios semelhantes nos esportes de equipe, exercícios de alta intensidade e exercícios de resistência (23, 24).

Finalmente, a cafeína também pode ser capaz de reduzir o esforço percebido durante o exercício em até 5,6%, o que pode trazer a sensação de maior facilidade para o treino (25).

Resumindo: O consumo de pequenas quantidades de cafeína cerca de uma hora antes do treino pode melhorar o desempenho nos exercícios.

 

Proteção Contra Doenças Cardíacas e Diabetes Tipo 2

Apesar do que escutamos falar, a cafeína não aumenta o risco de doença cardíaca (26, 27, 28).

De fato, evidências recentes mostram um risco 16-18% menor de doenças cardíacas em homens e mulheres que bebem de uma a quatro xícaras de café por dia (29).

Outros estudos mostram que o consumo de 2-4 xícaras de café ou de chá verde por dia está associado a um risco 14-20% menor de derrames (30, 31).

Uma coisa a ter em mente é que a cafeína pode aumentar ligeiramente a pressão sanguínea em algumas pessoas. No entanto, este efeito é geralmente pequeno (3-4 mm Hg) e tende a desaparecer para a maioria dos indivíduos quando o consumo de café se torna regular (32, 33, 34, 35).

Pode também proteger contra a diabetes. Uma revisão recente observa que aqueles que bebem mais café tem um risco 29% / 30% menor de desenvolver diabetes tipo 2 (36).

Os autores observaram que o risco cai por volta de 12-14% para cada 200 mg de cafeína consumidos (36).

Curiosamente, o consumo de café descafeinado também foi associada a um risco 21% inferior de diabetes. Isso indica que outros compostos benéficos presentes no café também podem proteger contra a diabetes Tipo 2 (36).

Resumindo: bebidas cafeinadas como café e chá podem reduzir o risco de doenças cardíacas e diabetes tipo 2, embora isso dependa de cada indivíduo.

 

Outros Benefícios Para a Saúde

O consumo de cafeína está ligado a vários outros benefícios para a saúde:

  • Protege o fígado: O café pode reduzir o risco de danos no fígado (cirrose) em até 84%. Ela pode retardar a progressão da doença, melhorar a resposta ao tratamento e diminuir o risco de morte prematura (37, 38).
  • Promove a longevidade: Beber café pode diminuir o risco de morte prematura em até 30%, especialmente para as mulheres e diabéticos (39, 40).
  • Diminui o risco de câncer: 2-4 xícaras de café por dia podem reduzir o risco de câncer de fígado em até 64% e o risco de câncer colo-retal em até 38% (41, 42, 43, 44, 45).
  • Protege a pele: Consumir 4 ou mais xícaras de café por dia pode diminuir o risco de câncer de pele em 20% (46, 47).
  • Reduz o risco de esclerose múltipla: bebedores de café podem ter um risco 30% menor de desenvolver esclerose múltipla (EM). No entanto, nem todos os estudos concordam (48, 49).
  • Previne a gota: beber regularmente 4 xícaras de café por dia pode reduzir o risco de desenvolver gota em 40% nos homens e 57% nas mulheres (50, 51).
  • Promove a saúde dos intestinos: Consumir 3 xícaras de café por dia por apenas 3 semanas pode aumentar a quantidade e a atividade das bactérias intestinais benéficas (52).

Tenha em mente que o café também contém outras substâncias que melhoram a saúde. Alguns dos benefícios listados acima podem ser causados por outras substâncias que não a cafeína.

Resumindo: Beber café pode ajudar a promover a saúde do fígado, pele e aparelho digestivo. Também pode prolongar a vida e ajudar a prevenir várias doenças.

 


 

Segurança e Efeitos Colaterais

O consumo de cafeína é geralmente considerado seguro.

No entanto, lembre-se que a predisposição genética de algumas pessoas podem deixa-las mais sensíveis (1, 53).

Alguns efeitos colaterais ligados à ingestão excessiva incluem ansiedade, agitação, tremores, batimentos cardíacos irregulares e problemas para dormir (54).

Excesso de cafeína pode causar também dores de cabeça, enxaquecas e pressão alta em alguns indivíduos (55, 56), portanto mantenha-se dentro dos níveis indicados de moderação.

Além disso, a cafeína pode facilmente atravessar a placenta, o que pode aumentar o risco de aborto e o nascimento abaixo do peso. Mulheres grávidas devem limitar seu consumo (55, 57, 58).

Finalmente, vale ressaltar que a cafeína pode interagir com alguns medicamentos.

Pessoas utilizando o relaxante muscular Zanaflex ou o antidepressivo Luvox devem evitar cafeína, já que estes medicamentos podem aumentar os seus efeitos (59).

Resumindo: A cafeína pode ter efeitos colaterais negativos em algumas pessoas, incluindo ansiedade, inquietação e problemas para dormir.

 

Dosagens Recomendadas

Tanto o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) quanto a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA) considera uma ingestão diária de 400 mg de cafeína como seguro. Isso equivale a 2-4 xícaras de café por dia (60, 61).

É importante notar que overdoses fatais foram relatadas com doses únicas de 500 mg de cafeína, portanto mantenha-se dentro da salutar moderação.

Portanto, recomenda-se limitar a quantidade de cafeína que você consome de uma só vez à 200 mg (60, 62, 63), e entre 300 mg a 400 mg como limites máximos.

Finalmente, de acordo com a Universidade Americana de Obstetras e Ginecologistas, mulheres grávidas devem limitar sua ingestão diária a 200 mg (64).

Resumindo: A ingestão de cafeína de 200 mg por dose, e de até 400 mg por dia, é geralmente considerada segura. No entanto, mulheres grávidas devem limitar sua ingestão diária a 200 mg ou menos.

 

Mensagem Final

Após décadas de pesquisa, a comunidade científica não documentou nenhuma associação consistente entre o consumo moderado de cafeína e qualquer risco à saúde. Usando bom senso e moderação, uma pessoa comum pode continuar a apreciar chá, café e bebidas contendo cafeína.

A cafeína não é tão prejudicial como se acreditava. Na verdade, evidências indicam exatamente o oposto.

Portanto, vale repetir: é seguro considerar seu copo diário de café ou chá como uma maneira agradável de promover boa saúde. Desde que, é claro, sua individualidade esteja de acordo com isto. Nada é universal, coisas diferentes funcionam para pessoas diferentes.

Algo importante para considerar e compreender: muitos efeitos nocivos relacionados ao café estão diretamente ligados à qualidade do mesmo – seja na concentração de resíduos de pesticidas (café não-orgânico) seja na torra excessiva para disfarçar a baixa qualidade do café, que gera carbonização de seus ingredientes, criando substâncias agressivas e até cancerígenas (acrilamida).

Quer provar um café especial (Arabica Special Grade), produzido dentro de um critério que gera quantidades insignificantes de micotoxinas e ocratoxina (comuns aos cafés de produção industrial) e finalizado por torra média, que produz níveis mínimos de acrilamida e permite ao café a expressão máxima de suas qualidades?

* * *

Referências:

143 replies on “Mitos e Verdades Científicas sobre a Cafeína

  • claudia da silveira rohr

    Adorei o texto obrigada Flávio. Fiquei com uma dúvida quanto ao uso da cafeína em pessoas que tem gastrite, úlceras ou esofagite se puder contribuir. Obrigada

    Responder
  • Magna Otiai

    Tenho osteopenia e o texto foi muito esclarecedor, me tranquilizou qto ao consumo moderado dessa deliciosa bebida. Obrigada por compartilhar : )

    Responder
  • Marcelo Agimóvel

    Ótimo artigo, bem embasado, bem completo e bem honesto! Vale lembrar que a cafeína (no meu caso) dá enxaqueca em virtude do ganho de energia ligado ao fato de trabalhar com computação o que pode resultar em stress e daí desencadeia os problemas.

    Saber usar, o melhor remédio. Flávio sou seu fã.

    Responder
  • Alessandra

    Muito bem embasado, grata pelas informações.
    Fica ainda a pergunta quanto a capacidade do café para acidificar o meio, e consequentemente vir a desequilibrar a harmonia ácido-básico do organismo (o que pode levar a consequências negativas das mais variadas). Este certamente não é um ponto positivo do café… Gostaria muito de saber sua opinião sobre este ponto em particular e importante, Flávio!
    Agradeço!

    Responder
      • Theruco

        Olá Flavio, tudo bem? Adoro café e curti sua matéria! Minha dúvida é a mesma da Alessandra. Até onde sei o café, quando ingerido indo para a corrente sanguínea, é bem ácido (pH=4, lembrando que a escala de pH é exponencial, e aumenta muuuuuuuito a diferença de 4 para 5 e assim por diante), isto se for tomado sem açúcar, in natura. Por isso tomo com moderação, afinal nosso organismo também precisa de alimentos ácidos, para então se estabelecer como base-neutro. No mais, senti falta no seu texto algo sobre adoçar o café! Adoçando o café, com qualquer tipo de açúcar, torna-o mais ácido ainda, e mascara o verdadeiro sabor da especiaria, que é uma delícia!!! Valeu!!!

        Responder
  • Suzue Kadowaki

    Perfeito. Parabéns pela pesquisa e consequente imensurável contribuição aos leigos que amam ou não o CAFÉ ! Que como vc disse ” com moderação não faz mal, só bem “. Aguardo mais notícias , Grande abraço Suzue

    Responder
  • Olivia Mussato

    Muito bacana e esclarecedor seu artigo, Flavio! Seu site oferece conteúdos excelentes! Aproveito e gostaria de te perguntar: é verdade que o café aumenta a acidez do nosso corpo, como no fígado?
    Abs!

    Responder
  • BEATRIZ NUNES SILVEIRA

    Parabéns Flávio pela sua explanação sobre os mitos e verdades sobre o café.
    Excelente sua explanação. Obrigada! Aguardo mais artigos sobre o tema.

    Responder
  • Semirames Aderno

    Flavio, gostei muito deste artigo . Faço uso do café todas as manhãs 1 xícara pequena é suficiente p/
    me deixar esperta e ativa p/ enfrentar o dia. Suas informações ajudaram a esclarecer dúvidas e receios qto. ao uso diário. Obrigada por compartilhar este valioso artigo.

    Responder
  • Rafaella

    Excelente artigo Flavio. Inclusive eu comprei os produtos para fazer o Bulletproof coffe na Pura Vida!!
    Fiquei com uma duvida. Comecei a praticar o jejum intermitente. Nesses dias seria permitidos café Bulletproof ?
    Obrigada

    Responder
  • André

    Ótimo artigo Flávio, muito esclarecedor. Quem é da área de TI entende muito bem a importância da cafeína…

    Duas dúvidas:

    1) Por que o café espresso tem tanta cafeína a mais do que o coado?
    2) Por que as pessoas que tomam muito café sentem dor de cabeça quando se abstém? Sempre achei que isso era um sintoma de vício.

    Abraço!!

    Responder
    • Flávio

      Agradeço André!

      1 – O expresso injeta pressão e ar no momento da extração, o que libera mais cafeína (e toxinas no caso do café de baixo padrão).

      2 – É um ajuste nos receptores de adenosina. Qualquer mudança traz seus sintomas. Dois dias depois não há traços deste tipo de sintoma, o que é bem diferente de algo como cocaína por exemplo.

      Abraços!

      Responder
      • Cassiane

        Olá, Flavio, tudo bem? Admiro muito e acompanho seu trabalho! Gostaria apenas de fazer uma observação quanto à cafeína. Esta é hidrossolúvel, portanto, quanto maior o tempo de contato do bolo do café com a água, mais cafeína será extraída na bebida. Portanto, um coado extraído no filtro de papel terá mais cafeína do que um espresso, embora este contenha uma concentração maior de pó. Enquanto a extração de um espresso dura cerca de 25s, um coado no filtro de papel leva uns 2 minutos. O método que mais contém cafeína é a prensa francesa, cuja extração é bastante lenta, cerca de 4 minutos. E o que menos contém é a aeropress. Importante lembrar que o grão arábica contém menos cafeína do que o robusta. É também fundamental ficar atento aos decafeinados vendidos em supermercados (cafés das categorias tradicional, superior e até mesmo alguns gourmet) utilizam química altamente prejudicial à saúde durante o processo de retirada da cafeína. Recomendo, para aqueles que nao podem consumir cafeína, que comprem cafés decafeinados da categoria cafés especiais. São bastante caros, mas o processo de retirada da cafeína é natural, onde o café é lavado com água. Espero ter contribuído! Abraço, Cassiane

        Responder
  • Glaucia

    Também gostaria de saber sobre os efeitos da cafeína no estômago, uma vez que todos os médicos alopáticos gastroenterologistas nos recomendam cortar o café. Também em tratamento ayurvédico recebi essa orientação pois, segundo a terapeuta, o café era altamente tóxico para o meu dosha. Não sei se é por causa da cafeína. Alguma informação sobre isso? Obrigada!

    Responder
    • Flávio

      Oi Gláucia!

      Há muita deturpação na Ayurveda. Não há nada nos textos originais que mencione o café, até porque não era uma bebida típica da Índia.

      O padrão comum do café de baixa qualidade pode de fato machucar as mucosas com sua torra excessiva, acrilamida e toxinas diversas. A chave aqui é a qualidade. 🙂

      Responder
  • Izabel Donalisio

    Oi Flávio, grata pelas informações. Realmente sempre tomei café, desde criança e nunca percebi essa nocividade que é descrita. Grata por nos tirar dessas crenças.

    Responder
  • Claudia

    Gostei muito do artigo, principalmente quando mostrou mitos e fatos sobre o consumo de cafeína. Achei bem completo e esclarecedor. É um texto bem acadêmico. Flávio, você menciona café de qualidade para preservar as mucosas; há uma indicação sua para esse cafede qualidade? Não sei se é conveniente mencionar marcas, mas, algumas características, talvez? Obrigada!

    Responder
  • Patricia

    Estou em um programa de emagrecimento e proibiram o consumo de café, fiquei na dúvida já que tinha lido antes, que o café ajuda a acelerar o metabolismo e tal…não entendi o pq da proibição. Depois de ler esse post, vou continuar com meu café.?

    Responder
  • Dulcinéia

    Adorei a reportagem
    Amo um bom café expresso sem açúcar e de boa procedência.
    Flavio você teria uma receita com café que seja energética e nutritiva para começar bem o dia?

    Responder
  • Rita de Cássia

    Adorei o artigo sobre café e você esclareceu uma dúvida pois quando tomo café expresso após as 16 horas eu tenho mais dificuldade de dormi devido à quantidade mais alta de cafeína.

    Responder
  • Maci Nogueira

    Com certeza, não há mais dúvidas a respeito da cafeína, depois desta matéria. Faltou apenas mencionar que o café tem menos cafeína do que alguns chás, como o preto e o mate, conforme dizem pesquisadores. Muito esclarecedor, obrigada!

    Responder
  • Carolina Ramalhete Vieira

    Ótimo artigo, obrigada. Sou bastante sensível à cafeína, mas não dispenso uma xícara do café na cafeteira italiana pela manhã. Há algum artigo seu que explique porque utiliza óleo de coco e manteiga na preparação do café? Há um aumento da potência da cafeína? A única vez que experimentei essa receita, passei a noite em claro! 🙁

    Responder
  • Marcos Giuliani

    Olá, Flávio… Ótimo documentário sobre á Cafeína, que até então eu achava que fazia mal para á Saúde, no entanto estamos ciente de que agora podemos consumi-la tranquilamente, claro desde que não exageramos na dose.

    Obrigado Flávio, estou aprendendo á se alimentar corretamente com suas dicas especiais, acompanho suas receitas no canal Sony.

    Att.

    Responder
  • Ana de Lacerda

    Flávio, gostaria de saber sobre o ato de adoçar o café. Uso açúcar de coco, demerara, o mascavo e já tentei a stevia, mas destruiu o sabor do café. Como sempre, seus artigos arrasa! Grata por dividir seu conhecimento conosco e modo tão generoso. Um abraço!

    Responder
  • Vanessa

    Boa tarde! Obrigada pelo texto Flávio, muito esclarecedor. Sempre que penso em uma alimentação mais saudável, muitas vezes penso em tirar o café. É bom saber que ele só tem a contribuir nesse sentido!

    Responder
  • Cristiane Granzoto

    Olá Flavio, gostei muito do texto. Só tenho uma dúvida quanto a ingestão de café quando se está amamentando. Li que vai uma quantidade mínima para o leite, mas é realmente seguro?

    Responder
  • Luciana

    Adorei o artigo! Moro sozinha e pelo meu estilo de vida utilizo muito os cafés solúveis. É possivel achar cafés de boa qualidade do tipo solúvel? Vi que ninguém se manifestou à respeito. Um abraço,

    Responder
    • Anderson

      Café solúvel de qualidade é bem provável que voce nao encontre, uma vez que a maioria, senão todos os cafés de supermercado(solúveis) sao muito torrados(mascarando todo seu processo de moagem) e perdem as propriedades do grão. E nem se fala da data da torra, que nem conta nas embalagens e validade de 1 ano. Até agora nao vi em nenhum forum que fale sobre a bebida que dissesse que um café solúvel fosse tragável e bom de se tomar.
      Saudações

      Responder
  • Mônica

    Gostei muito do artigo e aguardo outros trabalhos seus, são muito esclarecedores e embasados, o que nos deixa tranquilos ao ler e procurar seguir as recomendações.
    Sucesso!

    Responder
  • Girleide Luz

    Oi Flávio, gosto muito das suas abrangências, mas foi mencionado que a cafeína não vicia. Como vc explicaria duas pessoas no mínimo, diferentes, que conheço que a meu ver são viciadas. A primeira é fumante e tem crises trêmulas se não beber café após cada cigarro que fuma. O outro não é fumante, bebe café todos os dias, se ele ficar um dia sem beber ele tem crises de enxaqueca fortíssima. Como vc pode me esclarecer estes dois casos?

    Responder
  • Silvia Birckholz

    Ótimo documentário. Após abandonar o cigarro depois de 40 anos (sem beber café) e por ser diabética (tipo 1) hipertensa, foi-me recomendado tomar café. Inclusive o Arábica é fantástico (leve, perfumado, granulado prático de fazer) . Descobri fazer chá com -4 grãos de café (aperta e abre os grãos e coloca na xícara com casca ) e água quente; baixa o diabete. Eu particular- mente me sinto bem. Bebo esporadicamente. Agora diariamente bebo de 3/4 canecas de café com leite; sem adoçar. Também acreditava que interferia na osteoporose visto que tenho leve grau de reumatismo.

    Responder
  • Cícero

    Ótimo, já estava considerando até cessar o uso de café. Entretanto, em razão da quantidade diária recomendada, serei obrigado a me adaptar neste ponto.

    Responder
  • Vanessa

    Adorei o texto! Explicações com bases nós pros e contras!
    Amo café e fiquei feliz em saber de benefícios que nem imaginava, faziam parte dessa bebida tão apreciada!
    Parabéns pela elaboração do texto, bem como seu conteúdo e qualidade informativa!
    Você é um fofo! Apaixonei ?✨

    Responder
  • Kitta Eitler

    Oi Flávio,
    gostei muito do artigo é esclarecedor. Realmente sempre ouvimos muitas coisas sobre o café ( e sobre outros alimentos também, como o ovo por exemplo. Acho que em relação ao café a qualidade do grão, da torra, e da pureza é muito importante,. Muitos cafés são misturados a outros elementos para render mais. Obrigada por compartilhar.

    Responder
  • Ingrid

    Boa tarde Flavio, como sempre um ótimo texto.
    Tenho uma doença autoimune no fígado e meu hepatologista recomenda a ingestão do café.
    Abraço.

    Responder
  • Giuliana

    Flávio,
    Gostei muito do texto, sou realmente fa do seu trabalho.
    Queria fazer duas perguntas:
    1- Já ouvi sobre acrescentar uma medida pequena de óleo de coco no café. Você acha isso benéfico? Faz realmente mais diferença com relação a saúde?
    2- Ainda na adquiri nenhum produto da sua linha, pois estou morando fora. Vocês enviam para fora (USA)?

    Obrigada!

    Responder
  • Cristina

    Excelente Artigo.
    Tenho uma dúvida: Me falaram que tomar café após o almoço não é bom porque ele impede a absorção de alguns nutrientes. Tem fundamento essa afirmação?
    Obrigada

    Responder
  • Sue Magaly Magri

    Muito boa a sua abordagem. Sempre tomei café, desde a infância. Minha avó fazia o café num fogão de lenha, usava coador de pano e durante muito tempo foi assim, até que vieram os filtros de papel. Já usei vários tipos de filtros e de cafeteira. Agora estou interessada na prensa francesa, vi o seu vídeo do café bulletproof e adorei. Só não sei escolher o melhor café nas lojas comuns, sempre acreditei que café era café, de qualquer jeito, sempre torradinho igual. Nunca prestei atenção no tipo de torra. Agora, pelo que percebi, a torra média, no meu caso, talvez seja a melhor. Entrei no site da Puravida, achei o preço um pouquinho salgado, mas como todo produto orgânico vale a pena, dá pra consumir, mas não todo mês. Para os simples mortais, assalariados, como eu, talvez a Puravida pudesse desenvolver um produto um pouco mais atrativo no preço, quem sabe desenvolvendo uma embalagem mais barata e barateando, assim, o conteúdo. Agradeço a oportunidade de expor minhas considerações.

    Responder
  • erika c g almeida

    Gratidão por compartilhar! A seu conselho, venho tomando o bulletproff cofee e colhendo ótimos resultados. E como bem disse, respeito meu corpo e não tomo café após às 16h.

    Responder
  • Silvana Calvetti

    Olá Flavio! Obrigada por compartilhar conosco esse texto esclarecedor.
    Tenho uma dúvida, devo ou não tomar o café Puravida em jejum pela manhã?

    Obrigada! Um Abraço!

    Responder
  • Cristina

    Olá, Flávio,

    Gostei muito dos esclarecimentos acerca do café, benefícios na maioria desconhecidos.
    Aproveito para parabenizá-lo também pelo “Comer bem que mal tem?” Assisto todos os episódios, gosto da simplicidade com que vc apresenta o programa e faz as entrevistas, e as receitas também são muito fáceis de colocar em prática. Gostei especialmente do episódio do Cofeelab, muito interessante saber que pode inclusive, ajudar as crianças na concentração no estudo. Gratidão
    Cristina

    Responder
  • cleber gomes

    Boa tarde, eu que sou um amante do café, hj posso saboria-lo sem muita culpa pois deposi deste texte sei o ele não é um vilão como muitos dizem por ai.

    Obrigado Flavio.

    Aguardo ansioso nossos artigos

    Responder
  • Silvia Motta

    Flávio, boa tarde. Já tinha conhecimento sobre propriedades benéficas do café, porém com mais detalhes como vc descreveu, ficou evidente e esclarecedor, que ao longo dos meus 51 anos só veio confirmar que cafeína, utilizada de forma correta é fonte de energia. Não consumo leite, por intolerância e ao longo dos anos, “os mitos de osteoporose” pela falta de cálcio, me rondavam…(detalhe, nunca tive nada de ausência desta vitamina). Então, creio no consumo moderado da cafeína e resultados benéficos citados por você (no meu caso). Obrigada pelo esclarecimento de forma simples e complexa.

    Responder
  • Eliane Botelho Franck

    Esclarecedora a matéria. Também vi uma muito completa na televisão sore pesquisa feita na Inglaterra com grupos divididos entre doenças metabólicas, pressao alta, depressão e pessoas sem patologias. Concluíram q nada mudou para pior nos grupos ja patológicos e nos saudáveis nada tb aconteceu, pelo contrário, houve melhora de humor, perda de peso, estabilizacao de p.a. e mais disposição. Isso é ótimo! Adoro café! Apesar de tratar de forma conservadora a 20 anos esofagite, com o retorno do café na minha rotina de forma moderada, minhas endoscopias em nada se alteraram. Claro q procuro sempre melhores grãos orgânicos para moer em casa.
    Parabéns Flávioais uma vez. Ja faço uso da bebida de café com óleo de côco algumas vzs e é fantástico a energia q dá, sem falar q nos deixa sem ansiedade e fome pela manhã toda.
    Grande abraço e ate a próxima!

    Responder
  • Gisele

    Olá Flávio.

    Gostei bastante da matéria sobre o café. Mas fiquei com dúvidas sobre de que forma o café pode ser considerado um hepatoprotetor, ajudando a proteger contra cirrose.
    Tenho uma síndrome hepática autoimune e fiquei curiosa.
    Grata. Gisele.

    Responder
  • Marli S Pavan

    Fiquei muito feliz c/ este artigo.
    Adoro café e nunca vou parar de tomar. Nunca me importei c/ os efeitos negativos. Procuro sempre adquir um bom café, pois esta bebida me deixa muito satisfeita.

    Responder
  • Solange Das Graças Santos

    Flavio somos uma família que vivemos e convivemos diariamente com café, pois trabalhamos com cafeteria, somos apaixonados por café, tanto que nosso slogan alem de vários é que um bom dia se inicia depois de um bom café. Obrigado por um artigo tão esclarecedor.

    Responder
  • Vania

    Flavio, obrigada pelo excelente texto embasado cientificamente. O café para mim só traz benefícios. Adorei ler sobre os mitos, foi muito esclarecedor. Obrigada pela disposição em nos ensinar. Abcs

    Responder
  • Ana Claudia

    Parabéns pro artigo Flavio. Bem detalhado e com muitas fontes. Já gostava de café agora vou procurar um pó pra fazer em casa que seja bom. Vi um programa seu que falava como nós brasileiros torramos o café de forma errada.

    Responder
  • Thais

    Muito bom este artigo. Muita informação relevante, junto a comentários técnicos que nos mostram exatamente a importância da cafeína, inclusive na prevenção de várias doenças como Alzheimer e Parkinson, tão disseminadas nos dias de hoje. Agradeço pelas dicas. E termino bem satisfeita ao descobrir que minhas duas xícaras diárias de café ( pela manhã e no fim da tarde) estão contribuindo para o bem estar e bom funcionamento do meu organismo!

    Responder
  • Juliana

    Oi Flávio! Bem bacana a matéria! Fiquei com dúvida quanto ao valor indicado de cafeína no espresso. Achei estranho, pois pelo que já li, a cafeína é maior em métodos que o café é preparado nos quais a água fica em contato com os grãos por mais tempo. Ou seja, a cafeína é maior no método de café coado que no espresso. E já li que o método no espresso é o que tem menos cafeína, dados que são opostos ao que encontrei no seu texto.
    Gostaria de saber também se você indica algum estudo sobre a torra do café e a acrilamida. Para mim isso é novo e não tinha visto nada a respeito. Fiquei curiosa! Obrigada!

    Responder
  • Gianetti Lopes Pereira

    Parabéns pela matéria.
    A partir daí quebrei alguns mitos e , apesar de não ser viciada em café, vou continuar consumindo sem qualquer dúvida.

    Grata

    Responder
  • Camila Ceolin

    Bom dia Flavio.

    Ouvi de uma nutricionista que a cafeína eleva o índice glicêmico no sangue, e, por este motivo não deveria ser ingerida em dietas de emagrecimento e pessoas com pré diabetes ou que estejam com o índice de insulina basal acima do normal.
    Isso procede?

    obrigada.

    Responder
  • Lucia Gomes da Silva

    Amei o artigo. E quase um dossiê.. …muito informativo e curioso. Mora na cidade onde existe o único Museu do Cafe (Santos) e aqui e preservada a história do ciclo do café e todos deveriam conhecer. E apaixonante e vc ia amar Flavio. Fora a degustação dos diversos tipos de café exportação. Olha não me afasto deste pretinho que tantos benefícios nós trás. Abraco

    Responder
  • Taiane Rocha

    Oi Flávio! Amei a matéria, como sempre rica em informações embasadas e não qualquer texto que se lê por aí…
    Além do café, consumo cacau pó e/ou chocolate 100% antes e depois dos treinos (sempre em doses moderadas – 1 caneca de café, 2 a 3 quadradinho de chocolate 100% cacau e 1 colher de chá de cacau em pó ), além do chá mate que tomo eventualmente depois das refeições… e tenho observado uma melhora incrível na minha predisposição, concentração, força e resistência!
    Após ler essa matéria confesso que saiu uma certa culpa da minha consciência, visto que sempre achei que era uma quantidade absurda rs. Ainda acho uma quantidade relativamente moderada de cafeína diária, mas me faz tão bem… Será que essa culpa tá relacionada ao prazer? Gostaria de saber se é aconselhável a diminuição, principalmente no cacau.

    Responder
  • Ana Helena Toledo

    Olá Flávio, gostaria de saber se o café é broncodilatador. Li em um artigo q era e quanto estou em crise respiratória tomo e respiro melhor. Não sei se é real a melhora ou psicológica. Vc poderia me confirmar isso? Parabéns pela matéria.

    Responder
  • Claudete

    Boa noite, Flavio!!!

    Não sabia desses inúmeros benefícios do café!!! Confesso que bebia pela manhâ e muito raramente após almoço. Quando comecei a trabalhar com outras pessoas que tem hábito de tomar muitos cafezinhos, entrei no ritmo deles. Mas comecei a perceber, que parecia estar viciada…E comecei a me policiar. Hoje tomo um bom café e sem açucar… mas no máximo 03. Obrigada pelo artigo!!!
    Abraço

    Responder
  • Ubaldina Moura Coutinho

    Amo café e por isso fiquei muito feliz com tudo que li e é realmente o que sinto com relação aos benefícios!!!!!
    Obrigada pela contibuição!!!!!
    Bal

    Responder
  • Carla Pinho Pimentel

    Olá, Flávio!!!! Obrigada por compartilhar essas informações pois muito se fala e vc acabou esclarecendo algumas dúvidas que eu tinha. Admiro muito seu trabalho. Gratidão por compartilhar .

    Responder
  • Elcio

    Olá Flávio, com todo respeito quero me contrapor a esse artigo, que li e como disse respeito, mas não concordo, por acreditar numa orientação maior, que diz respeito a saúde física sim nessa terra, mas também relevantemente à valores eternos que eu acredito.
    O trecho abaixo é de uma escritora que tratou desse assunto há mais de 100 anos tendo apenas o ensino fundamental. Portanto seus escritos só podem ser das duas uma( como alguns críticos a colocam): inspirado ou loucura. Fico com a primeira opção indubitavelmente!
    “O uso de chá e café também é prejudicial ao organismo. O chá, até certo ponto, produz intoxicação. Entra na circulação, e desequilibra gradualmente a energia do corpo e da mente. Estimula, provoca e aviva o movimento do organismo forçando-o a uma ação fora do natural, dando assim ao que o ingere a impressão de que lhe está prestando grande serviço, comunicando-lhe força. É engano. O chá atua sobre as energias nervosas deixando-as grandemente debilitadas. Ao desaparecer sua influência e o aumento de ação ocasionado por ele diminuir, qual é então o resultado? Debilidade e fraqueza proporcionais à vivacidade artificial comunicada pelo chá. Quando o organismo já se encontra sobrecarregado e precisando de repouso, o uso do chá incita a natureza pelo estímulo a realizar uma ação indesejada e antinatural, diminuindo-lhe por esse modo a capacidade de trabalho e de resistência; e suas faculdades se esgotam muito antes do tempo designado pelo Céu. O chá é venenoso para o organismo. Os cristãos devem deixá-lo em paz. A influência do café é, até certo ponto, a mesma do chá, mas o efeito sobre o organismo é ainda pior. Sua influência é estimulante, e justo na medida em que ele eleva acima do normal, também deprime na mesma proporção. Os bebedores de chá e de café, apresentam no rosto os seus vestígios. A pele torna-se pálida, tomando um aspecto sem vida. Não se lhes vê no semblante o brilho da saúde. TS1 196.1
    O chá e o café não nutrem o organismo. O alívio deles obtido é súbito, antes de o estômago ter tempo de os digerir. Isso indica que os estimulantes considerados pelos usuários como energia, são recebidos unicamente mediante estímulo dos nervos estomacais, que transmitem a irritação ao cérebro, o qual é por sua vez despertado para comunicar acrescida atividade ao coração e passageira energia a todo o organismo. Tudo isso é falso vigor, que nos deixa pior. Eles não comunicam uma partícula sequer de energia natural. TS1 197.1
    Outro efeito de tomar chá é dor de cabeça, insônia, palpitação do coração, indigestão, tremor dos nervos e muitos outros males. … TS1 197.2
    Necessitais de mente clara, enérgica a fim de apreciar o exaltado caráter da verdade, apreciar a expiação, e dar a devida estimativa às coisas eternas. Se seguis uma errônea direção, e condescendeis com errados hábitos no regime alimentar, enfraquecendo assim as energias mentais, não dareis à salvação e à vida eterna aquele alto preço que vos inspirará a pôr a vida em conformidade com a vida de Cristo; não fareis, para obter inteira conformidade com a vontade de Deus, aqueles diligentes, abnegados esforços que são requeridos por Sua Palavra, e necessários para dar-vos o preparo moral para o último toque da imortalidade”

    Responder
  • Janie

    Adorei!!! Adoro café, sempre tomei mesmo diante de comentários negativos sobre ele, simplesmente poque me sentia bem quando consumia e nunca tive problema algum. Tudo em equilíbrio torna-se perfeito.

    Responder
  • Gisele

    Realmente muito esclarecedor! Tantas coisas que ouvimos por ai que dá medo…A verdade liberta….e agora me sinto segura para tomar um cafezinho que tanto adoro! Muito obrigada pela sua dedicação e por se preocupar em compartilhar o que você já aprendeu….assim vamos evoluir todos juntos!

    Responder
  • Lavinia Rocha

    Parabéns, Flávio
    Obrigada pelas informações. Não sou viciada, mas tomo pequenas doses do mesmo.
    Foi esclarecedor e quebrou alguns mitos.
    Muito Bom
    Tenho Gratidão por seus estudos e ensinamentos.

    Responder
  • Rafael Vaz Pandini

    Flávio, parabéns ao carinho e dedicação deste artigo. Digno de uma revisão bibliográfica a ser publicado no New England Journal. Trabalho e foco envolvido com base não apenas em ciência, mas na individualidade e pensando nos costumes populares. Obrigado por proporcional este conhecimento a mais.

    Responder
  • Luiz Carlos

    Tomo o Bullet Proof Cofee todos os dias pela manhã, uns 400 ml, e me sinto muito bem. Acredito que quando se toma o café expresso da máquina ou na prensa Francesa uma maior quantidade dos óleos essenciais passa pelos filtros e que uma boa parte dos mesmos ficariam retidos nos filtros de papel ou de pano que se usam normalmente. Segundo Heckman et al. (2010) a cafeína pode ser classificada como sendo uma  substância lipossolúvel, que tem como característica ser de rápida absorção pelo trato gastrointestinal, com 100% de biodisponibilidade para o organismo. Se boa parte desses óleos ficam retidos no filtro (papel e pano) você estará ingerindo menos cafeína…

    Responder
  • Izabella

    Seus posts são sempre muito educativos e esclarecedores. Agradeço sua disponibilidade em passar todo esse conhecimento e pra finalizar, hoje finalmente experimentei o café turbo e adorei. À primeira vista tive um preconceito em tomar café com manteiga e óleo de coco kkkk mas realmente tem um sabor delicioso e o beneficio vale todo o investimento rsrsrs

    Responder
  • Manuela

    Olá Flávio, quando se trata de consumo de cafeína durante amamentação, o que você sugere considerando as pesquisas levantadas? No meu caso, praticamente não consumi cafeína durante a gravidez, apenas pequenas dosagens presentes no chocolate, e meu bebê tem 5 meses. Obrigada.

    Responder
  • Nilzimar ferreira

    Olá Flávio! Amei a sua matéria muito esclarecedora e um aprendizado.

    Olá Flávio! amei a matéria, muito esclarecedora e também uma oportunidade de aprendizado. Parabéns!

    Responder
  • maria jose

    Boa noite Flávio,

    Procurei reler este artigo, para identificar se havia alguma informação sobre o café sem a gordura da manteiga, mas não encontrei. Tenho me interessado pela orientação vegana e a manteiga não deve ser utilizada. O que fazer para substituí-la no Bulletproof Coffee. O consumo deste tipo de café, realmente, promoveu, no meu organismo, uma saciedade que eu não esperava e gostaria de continuar, mas sem a manteiga ghee. Muito obrigada.

    Responder
  • Joana D'arc Ferreira Baros

    Bom dia Flavio,

    Devo compreender que um café mais forte, é mais forte por ser mais torrado (queima).
    Deve ser evitado.
    Melhor consumir os mais suaves?
    Grata
    Abraço

    Responder
  • Luiz Felipe

    Olá! Gostei bastante do texto, mas notei que existe uma contradição no mesmo.
    Logo no inicio você afirma que em uma ingestão de café expresso para cada 250 ml tem em média de 240 mg à 720 mg de cafeína.
    E no final do texto afirma que uma ingestão de 500 mg é suficiente para causar overdose… ???
    Se fosse o caso quem toma um café expresso já deveria estar morto… Não?
    Verifique se o que falo está de acordo.
    Abraço.

    Responder
  • Marina

    Gosto bastante desses artigos que você posta, no entanto acho q tem um fator que não foi abordado aqui….

    Eu volta e meia sofria de insônia e tinha altos e baixos de energia durante o dia. Eu consumia Café todas as manhãs com moderação (1 xícara, de vez em quando 2 xícaras no máximo), nos dias que eu não tomava me sentia bem mal aliás.

    Resolvi ficar um mês sem cafeína para ver os efeitos e gostei… Hoje durmo muito melhor e meus níveis de energia são constantes ao longo do dia ao invés de ter muita disposição nas horas depois de tomar café e pouca depois que o efeito passa. Relembrando que eu consumia moderadamente, nada absurdo, mas era diariamente.

    Em mim o café tinha efeitos parecidos com o açúcar, dava picos de energia e baixas de energia. A melhor coisa que eu fiz foi eliminar os dois da minha vida (pelo menos 99% do tempo).

    Para algumas pessoas ele pode ser bom, mas se vc sente que não dorme bem ou seus níveis de energia variam muito durante o dia sugiro tentar largar a cafeína por 1 mês e ver se os sintomas melhoram (Obs: Nos primeiros dias é capaz que vc se sinta beeem mal)

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *