Seu Creme Dental é Saudável?

Por Flávio Passos

A cada dia um número maior de pessoas desperta sua atenção para algo de grande importância: o conhecimento de que a qualidade dos alimentos que ingerimos influencia diretamente nossa saúde e bem estar.

Um bom alimento é rico em nutrientes. O corpo precisa de diversos e variados elementos nutritivos para a manutenção, construção e regeneração de seus complexos sistemas. E a maior parte destes elementos é fornecida através de alimentos ou suplementos.

Mas existe outro critério importante na busca pela saúde alimentar: a Pureza. Um bom alimento é livre de toxinas que prejudicam a saúde. Aqui me refiro a substâncias nocivas como pesticidas, defensivos químicos, gorduras ruins, excesso de açúcar e aditivos diversos. Como estas substâncias oferecem graves riscos à saúde, a procura por alimentos orgânicos está cada vez maior.

O que muitos ainda desconhecem é que produtos de higiene pessoal também precisam ser escolhidos com o mesmo critério, especialmente os cremes dentais, pois as mucosas da boca absorvem com grande eficiência os elementos com os quais entra em contato.

Por isto, quando precisamos absorver nutrientes ou medicamentos de maneira ideal, utilizamos a absorção sublingual, que vai diretamente para a corrente sanguínea.

Desta forma, vale a pena estudar um pouco sobre os cremes dentais e os ingredientes utilizados em sua constituição.

Dentre os elementos mais comuns na composição dos cremes dentais convencionais estão alguns potenciais causadores de distúrbios no organismo segundo a ciência atual: fluoreto, triclosan, parabenos, corantes sintéticos e lauril sulfato de sódio. Vejamos o que s evidências apontam sobre cada um destes.

FLÚOR

O fluoreto foi oficialmente classificado como uma neurotoxina em 2014 pelo jornal médico de maior prestígio do mundo, o The Lancet.

Com isso, o flúor está na mesma categoria do chumbo, arsênio e mercúrio, elementos reconhecidamente tóxicos e altamente perigosos. Uma metanálisepublicada pela Universidade de Harvard concluiu que o flúor afeta o desenvolvimento da inteligência e que crianças com alta ingestão de flúor apresentam baixo Q.I.

Além da bastante conhecida fluorose dentária, uma enormidade de efeitos adversos estão relacionados com este elemento, incluindo déficits cognitivos e neuronais, citotoxicidade, hipotireoidismo, dislipidemia, alterações enzimáticas, eletrolíticas e câncer.

Já foram detectadas 66 enzimas que podem ser afetadas pela ingestão de flúor, incluindo enzimas envolvidas na síntese de neurotransmissores e que participam de inúmeros processos metabólicos e funções vitais, incluindo resposta ao estresse, ciclo celular e comunicação entre células . Num estudo, verificou-se que uma diminuição da atividade de enzimas como a SOD (superóxido dismutase), GST (glutationa S-transferase), acetilcolinesterase, catalase, SDH (succinato desidrogenage), LDH (lactato desidrogenase), CPK (creatina cinase) e enzimas associadas à membrana celular (Na+/K+ ATPase), tanto em nível muscular, quanto cerebral.

Os efeitos tóxicos do flúor incluem reações inflamatórias (que estão por detrás de inúmeros outros distúrbios), inibição da síntese de proteínas e da progressão do ciclo celular, estresse oxidativo e danos no DNA.

O flúor é da mesma família química do iodo (halogênios), sendo mais eletronegativo do que este, e no organismo vai ocupando o lugar do iodo, afetando assim diversos sistemas, principalmente o funcionamento da tireoide. O iodo e o flúor possuem efeitos antagônicos na tiroide, sendo que a presença do flúor está relacionada com o hipotireoidismo.

TRICLOSAN

O triclosan é um composto químico usado como bactericida, fungicida e  conservante em cosméticos e produtos de higiene pessoal, como sabonetes e cremes dentais.

Estudos o associam com danos ao fígado, maior risco de câncer, cirrose,diminuição no nível dos hormônios da tireoide e alergias .

A agência EPA (órgão regulador estadunidense) o classifica como biocida perigoso de alto risco para a saúde humana e ambiental e a partir de setembro de 2016, o FDA proibiu a comercialização de produtos com triclosan sem receita médica.

Alguns ensaios com animais mostraram que o triclosan tem efeito sobre a atividade hormonal e potencial atividade carcinogênica. Estudos recentes indicam que o triclosan pode induzir câncer no fígado.

Além de todos esses riscos, o triclosan apresenta ainda outros problemas, é um agente causador de resistência bacteriana, ou seja, faz com que as bactérias que se tornem superbactérias resistentes a antibióticos, o que pode ter consequências sérias, e o fato dele não se dissolver ou se decompor facilmente, favorece a contaminação ambiental e a bioacumulação em espécies selvagens.

Os resíduos de triclosan podem passar porvárias reações químicas quando são levados pela água em pias e ralos e acabam nas águas subterrâneas, rios, oceanos e bacias hidrográficas.

Isso significa que há um efeito colateral em cascata que nos afeta de muitas maneiras.

Além do impacto direto na saúde e qualidade de vida, também prejudica o ambiente ao nosso redor. Isso, por sua vez, volta a prejudicar nossa saúde de várias maneiras, pois contamina a cadeia alimentar e pode até mesmo contaminar a água que bebemos.

A maioria dos estudos realizados em animais provou que o triclosan está diretamente ligado à formação de câncer em camundongos e tem um efeito negativo nos seus sistemas hormonais, assim como mata bactérias do ambiente (oceanos, rios, etc.) desequilibrando todo o resto da cadeia alimentar, já que muitos organismos menores dependem dessas bactérias microscópicas como fonte de alimento.

OUTRAS TOXINAS

Além do flúor e do triclosan, encontramos diversas substâncias nocivas nos cremes dentais como parabenos, corantes petroquímicos e o lauril sulfato de sódio.

O lauril sulfato é uma substância altamente irritativa da pele e das mucosas, podendo desencadear reações alérgicas. A mucosa bucal é um dos tecidos mais sensíveis e delicados do corpo e o lauril possui grande poder de abrasão, causando irritação na boca e permitindo que porções ainda maiores dos outros componentes químicos da pasta penetrem na corrente sanguínea.

Parabenos e corantes estão relacionados a alergias e outros possíveis efeitos nocivos.

Reflita: você colocaria na sua boca este coquetel de substâncias nocivas? Pois é. Infelizmente é o que a maioria das pessoas realiza diariamente.


A SOLUÇÃO: CREMES DENTAIS NATURAIS E EFETIVOS

Por todos estes motivos, eu e a Puravida criamos a linha Puravida Oral Care, que oferece cremes dentais feitos com ingredientes naturais, seguros e benéficos.

Ao desenvolvermos esta linha de cremes dentais, tínhamos dois critérios para cumprir.

Um deles era a ausência de ingredientes sintéticos nocivos ou aromas artificiais – pelos motivos que descrevi neste artigo.

O outro critério é eficácia comprovada na higienização e eliminação das bactérias que causam cáries, placa e gengivite.

Após muita pesquisa e inúmeros testes em laboratório, chegamos à composição básica ideal.

Mas fomos além – criamos também versões com propriedades e ingredientes especiais, como a BLACK, que conta com com carvão ativado de coco e atua como um clareador natural, eficaz e seguro.

Sua estrutura absorve e retém impurezas diversas, efetivamente clareando o esmalte dos dentes de manchas provenientes do vinho, café ou mesmo cigarros, drenando da boca esses resíduos.

O carvão também é germicida e equilibra o pH da boca.

É importante notar que o uso de substâncias naturais, sem uso de químicos patenteados, não recebe subsídios da grande indústria. Por este motivo, pouco ou nada se ensina nas universidades ou congressos sobre este tema. E não é incomum ver dentistas que se opõem ao uso do carvão nos cremes dentais ou mesmo ao uso de cremes dentais sem flúor.

Mesmo que o uso do carvão em cremes dentais ou os malefícios das substâncias mencionadas já tenham embasamento científico recente, conforme as pesquisas listadas ao fim do artigo exemplificam.

Também desenvolvemos o CURCUMINT, que contém um extrato especial de curcumina, o princípio ativo da cúrcuma, em concentração 50 vezes maior do que na cúrcuma.

Este princípio ativo é um dos compostos naturais mais solidamente estudado pela ciência, com propriedades anti-inflamatórias notáveis, sendo excepcional para a saúde das gengivas e de toda a cavidade oral.

Outra opção de creme dental natural é o TEA TREE (melaleuca), que é elaborado com óleo essencial extraído das folhas de uma árvore nativa da Austrália, reconhecida pela ciência e utilizada como medicinal pelos aborígenes há milênios. Seu óleo contém propriedades antissépticas, sendo altamente eficaz na eliminação de diversos tipos de fungos e bactérias.

Além do Tea Tree, estão presentes na composição o óleo essencial de limão siciliano, menta e de toranja (grapefruit) junto com extratos naturais de calêndula e joá, que purificam e cicatrizam o ambiente bucal.

Estes cremes naturais, além de não poluírem seu corpo com os químicos nocivos citados (triclosan, flúor, parabenos, lauril), realmente limpam e contribuem para a saúde dos dentes, gengivas e mucosa bucal. São testados e aprovados por dentistas.

São também refrescantes, aromáticos e saborizados com xylitol natural, que além de adoçar suavemente é comprovado cientificamente como um auxiliar no combate às cáries.

Vale lembrar também que são veganos e 100% cruelty-free (não realizamos testes em animais).

Conheça a linha ORAL CARE aqui:

ESTUDOS E REFERÊNCIAS:

http://www.pnas.org/content/111/48/17200.abstract

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17011055

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3060004/

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *