BENEFÍCIOS DO AZEITE DE OLIVA

Tenho que admitir – sou fã de azeite de oliva. Aprecio seu sabor. Gosto do fato que é rico em gordura monoinsaturada, uma “gordura boa” que promove coração e ossos saudáveis. Por isso, eu coloco azeite de oliva em todas as minhas saladas.

Compreendo a razão pela qual as pessoas valorizam o azeite de oliva por seu sabor e utilizam este óleo como tratamento para a pele há milhares de anos. No Egito antigo, até mesmo o envoltório das múmias continha azeite de oliva!

Outras sociedades antigas, incluindo os gregos, consideravam a azeitona como símbolo de paz, sabedoria e força. Pesquisas sobre os benefícios do azeite de oliva mostram que as papilas gustativas e a percepção destes povos antigos quanto ao azeite estavam mais do que corretas.

Além dos conhecidos benefícios ao coração, agora sabemos que o azeite de oliva extravirgem – óleo que é extraído usando apenas pressão (método conhecido como “prensagem a frio”) – contém uma substância natural cujas extraordinárias propriedades anticâncer têm causado comoção entre os pesquisadores médicos. Ela se chama hidroxitirosol.

O hidroxitirosol é um elemento de um grupo de compostos chamados polifenóis – substâncias químicas antioxidantes encontradas em uma ampla variedade de plantas. Esses fitonutrientes são responsáveis por muitos dos efeitos exclusivos sobre a saúde que tornam a ingestão dos vegetais quase que como o melhor conselho nutricional que alguém pode te dar.

 

Fazendo o corpo funcionar melhor

O hidroxitirosol geralmente funciona magicamente dessas três maneiras:

  • Como um antioxidante, o hidroxitirosol evita que os radicais livres danifiquem as células e causem estragos às membranas celulares e às mitocôndrias – as pequenas produtoras de energia que estimulam as atividades celulares.
  • Como um regulador enzimático, o hidroxitirosol controla a atividade das enzimas que poderiam de outra maneira causar danos aos órgãos.
  • Como um fator epigenético, este composto presente no azeite de oliva pode alterar as formas com que os genes se comportam nas células cancerosas e, se necessário, acelerar a sua morte através da apoptose (morte celular programada).

 


 

Fenol fenomenal

Uma das características exclusivas a respeito do hidroxitirosol é sua versatilidade no corpo. Algumas pessoas consideram que ele pode ser o antioxidante mais potente encontrado na natureza. A potência antioxidante deste nutriente permite que ele ajude as células da pele a resistir ao dano oxidativo causador de câncer a partir dos raios ultravioleta presentes na luz solar.

Mas caso o mesmo hidroxitirosol penetre em uma célula cancerosa, em uma completa reviravolta, este fenol fenomenal irá subitamente se tornar um radical livre – e se transformará no pior pesadelo para esta célula.

De acordo com pesquisadores em Singapura e na China, os quais estudaram os efeitos químicos sobre as células de câncer de cólon, o hidroxitirosol aciona uma cascata de danos por oxidação às mitocôndrias nas células cancerosas.

Os cientistas apontam que as células cancerosas, por causa de seu crescimento rápido e fora de controle, estão quase sempre sob muito estresse oxidativo. Mas elas são exclusivamente equipadas – geralmente – para combater essas ameaças oxidativas. No entanto, o hidroxitirosol desequilibra a balança contra as mesmas, adicionando uma sobrecarga oxidativa suficiente para fazer com que elas entrem em apoptose – a morte celular programada.

 

Quando o tecido conjuntivo se degrada

À medida que você envelhece, também foi mostrado que o hidroxitirosol protege o corpo contra as mudanças celulares que tornam o indivíduo mais propenso a desenvolver o câncer.

Em um estudo que investigou o envelhecimento celular que aumenta o risco de câncer de mama, os pesquisadores da Universidade de Iowa notaram que os fibroblastos, as células que produzem colágeno (o material estrutural que sustenta o tecido conjuntivo) se tornam mais suscetíveis a desprender substâncias químicas inflamatórias nocivas à medida que envelhecem e atingem o fim de seu ciclo de vida.

As substâncias químicas inflamatórias desprendidas pelos fibroblastos representam uma má notícia para as células no tecido mamário. Elas podem iniciar a formação e reprodução de células cancerosas. E as células de fibroblastos com mais idade desprendem oito vezes mais destas moléculas inflamatórias do que as células mais jovens.

Mas, em testes laboratoriais, foi mostrado que o hidroxitirosol apaga as “chamas” iniciadas por esse comportamento inflamatório. Consequentemente, os pesquisadores concluíram que uma “abordagem alimentar” – refeições que incluam azeite de oliva – pode ajudar o corpo a combater o câncer à medida que você envelhece.

 


 

Confira ao seu DNA uma proteção extra

Um estudo da Universidade de Jaen na Espanha mostrou que o hidroxitirosol pode proteger o DNA nas células de mama e diminuir o risco de ocorrência de mutações no material genético – o que poderia tornar as células cancerosas e formar tumores.

Nesse teste, os cientistas espanhóis verificaram que o hidroxitirosol poderia agir como o que eles chamam de um antioxidante “direto” – interceptando os radicais livres e tornando-os inofensivos – bem como desempenhando as tarefas como um protetor “indireto” – estimulando as células a formar mais de suas próprias proteínas antioxidantes.

Além disso, os pesquisadores observaram que um outro estudo, um projeto de pesquisa conjunto que envolveu a Universidade da Califórnia e a Academia Chinesa de Ciências, verificou que o hidroxitirosol pode proteger as células oculares contra o dano oxidativo causado pelo consumo de cigarros.

 

O ataque às células de câncer de próstata

Quando se trata de atacar o câncer de próstata, os pesquisadores mostraram que o hidroxitirosol age contra as mitocôndrias nas células de câncer de próstata ao imergi-las em seus próprios produtos residuais oxidativos destrutivos.

Quando as mitocôndrias produzem a energia que mantém uma célula funcionando, elas produzem uma substância oxidativa chamada de superóxido, que uma célula cancerosa elimina continuamente. Mas o hidroxitirosol interfere nesse processo, evitando que a célula cancerosa verta o superóxido destrutivo.

E quando o superóxido em uma célula de câncer de próstata se acumula a um nível em que a célula não consegue lidar, dizem os pesquisadores na China, a célula sucumbe a uma overdose dessa toxina autoproduzida.

 


 

O azeite de oliva nas suas refeições

Para obter o benefício máximo dos fenóis no azeite de oliva extravirgem, é melhor utilizá-lo diretamente da garrafa sobre pratos frios como saladas ou vegetais. O aquecimento pode destruir os ingredientes benéficos deste óleo. Na verdade, o aquecimento de praticamente qualquer óleo até o ponto de fumo não é uma boa ideia.

Você ainda pode cozinhar com o azeite de oliva, mas lembre-se que o aquecimento do azeite de oliva extravirgem acima de cerca de 320 graus pode levar ao ponto de fumo. O azeite de oliva virgem, por outro lado, não irá chegar ao ponto de fumo até que atinja cerca de 420 graus. Mas o azeite virgem não tem tantos fenóis quanto o extravirgem.

Muitas pessoas gostam de usar o azeite de oliva extravirgem na fabricação de pães, em vez de manteiga. Caso você goste, isso oferecerá mais benefícios à saúde do que outras opções.

E não se esqueça de quanto o azeite de oliva pode melhorar a saúde do coração – um estudo realizado por pesquisadores na Espanha envolvendo pessoas idosas demonstrou que aqueles que consumiam mais azeite viviam por mais tempo e tinham menos doença cardíaca. E aqueles que usavam o azeite de oliva extravirgem apresentavam um risco menor de desenvolver problemas cardiovasculares.

7 replies on “BENEFÍCIOS DO AZEITE DE OLIVA

  • Anna

    Olá Flávio!! Você poderia publicar um artigo sobre o ovo? Eu como 2 ovos orgânicos quase todo dia e queria me informar mais sobre os benefícios (e/ou malefícios) para a saúde!

    Responder
    • MARCELO HENRIQUE LEITE ESTEVES

      Eu tomo todos os dias em jejum uma colher de sopa de azeite extra virgem com 0.1% de acidez. Meu colesterol e triglicérides baixou muito.
      Eu tomo azeite a mais de 5 anos.
      Eu aprovo.

      Responder
  • Ramiro

    Oi Flavio tudo bem?
    Gostaria de ver as referências dos artigos científicos que você cita ! Achei muito interessante !
    Você como pesquisador, tem artigos publicados? Poderias enviar?
    Me interesso pelo assunto e estou sempre pronto para aprender !
    Obrigado !!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.