12 razões cientificamente comprovadas para incluir microalgas em sua dieta

Por Flávio Passos com colaboração de Pedro Ivo

Sempre associamos uma alimentação saudável com uma grande variedade de vegetais – mas será que lembramos das algas? Consumidas há milênios por diversos povos do globo, notadamente os orientais, as algas são extraordinárias fontes de nutrição.

Conhecidas por serem ricas em minerais, como iodo, as algas podem nos fornecer variados nutrientes, como vitaminas, proteínas, ácidos graxos essenciais, além de compostos diversos com propriedades antioxidantes, anti-inflamatórios e outras.

Neste artigo exploraremos o potencial nutritivo e terapêutico de alguns destes seres antiquíssimos que estão na base da cadeia alimentar do planeta e que são responsáveis pelo nosso céu azul…

As Doze Razões cientificamente provadas abaixo referem-se à Spirulina e Clorella

  1. Densidade Nutricional

Duas das mais conhecidas microalgas, a spirulina (tecnicamente é uma cianobactéria, conhecida por “alga azul”) e a clorella se destacam pela impressionante densidade nutricional.

A spirulina pode, literalmente, ser o alimento mais rico e nutritivo do planeta, e a clorella, vem logo em seguida.  As duas fornecem grande quantidade de fito-nutrientes, ferro (a spirulina fornece 28 vezes mais ferro que o fígado de boi por peso), proteína de alta qualidade, todos os aminoácidos essenciais, ácidos graxos essenciais, vitaminas do complexo B, ômega 3, diversos antioxidantes e minerais como iodo, cobre, magnésio, cálcio (a spirulina pode conter até 8 vezes a quantidade presente no leite de vaca), selênio, potássio e fósforo.

A clorella é a maior fonte conhecida de clorofila, e a clorofila é um dos motivos de você ter escutado que o consumo de folhas verdes é essencial para uma boa saúde (1, 2). Além disso contém vitamina C e diversos antioxidantes.

A spirulina também é uma ótima fonte de GLA, um ácido graxo essencial dificilmente encontrado em outros alimentos e contém pequena quantidade de óleos ômega 6 e ômega 3, mas de excelente qualidade e na proporção ideal.

 


 

  1. Desintoxicação de poluentes e metais pesados

A clorella é mundialmente conhecida por sua notável capacidade de drenar toxinas para fora do organismo, inclusive metais pesados, que são cumulativos e muito difíceis de serem eliminados, como mercúrio (presente em amálgamas dentários, peixes e frutos do mar), alumínio, cádmio e outros. Estas substâncias não só prejudicam diretamente a saúde, mas também impedem a absorção de nutrientes. A ação da clorella é notável, pois seu consumo regular também previne que tais toxinas se acumulem nos tecidos e órgãos. A spirulina também contribui com a desintoxicação, auxiliando o fígado a eliminar e metabolizar substâncias indesejáveis (3, 4).

Em estudos conduzidos na Alemanha, foi verificado que o uso da clorella é eficaz na eliminação de metais pesados do corpo – do cérebro, da parede intestinal, dos músculos, ligamentos, tecido conjuntivo e ossos.

Pesquisas indicam que a clorella também pode auxiliar o corpo na quebra de hidrocarbonetos persistentes como DDT, PCB e dioxinas, ao mesmo tempo que aumenta a resposta do sistema imunológico.

A spirulina demonstrou eficácia na desintoxicação de mercúrio, cádmio, chumbo e flúor em diversas pesquisas (listadas ao fim do texto). Além disso, num estudo feito com ratos, teve efeito protetor, de prevenir que os metais tóxicos fossem transmitidos para a prole.

  1. Atividade anti-cancerígena

Evidências apontam propriedades antitumorais, de redução, combate e prevenção de câncer. Estudos em animais demonstraram a eficácia da spirulina e da clorela na redução de ocorrências e diminuição do tamanho de tumores (5, 6, 7).

A spirulina foi solidamente estudada em pessoas com casos de câncer oral. Um estudo feito na Índia com 87 pessoas demonstrou a redução completa das lesões em 45% dos casos (8). Outro estudo demonstrou maior eficácia da spirulina do que o medicamento padrão de tratamento, a pentoxifilina (9). Em ambos os estudos, a dosagem foi de apenas 1 grama de spirulina por dia!

  1. Alto poder antioxidante e anti-inflamatório

A clorella aumenta naturalmente os níveis de vitamina C, vitamina A e glutationa (que é o mais poderoso antioxidante produzido pelo organismo), neutralizando radicais livres e o estresse oxidativo (10).

A spirulina, além de diversos compostos como carotenoides, contém um atributo exclusivo das cianobactérias, a ficocianina, o pigmento responsável pela sua coloração verde-azulada com poderosíssimos efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios (11, 12, 13).

  1. Valiosa ajuda em quadros de anemia

Riquíssimas em ferro com alto nível de biodisponibilidade, estas duas microalgas podem ajudar bastante aqueles que sofrem da carência deste importante mineral, cujos sintomas incluem fraqueza, fadiga, desânimo e baixa resistência.

Um estudo feito com 40 idosos com histórico de anemia demonstrou aumento significativo de hemoglobinas e melhora no sistema imunológico (14).

  1. Diminuição da concentração de glicose sanguínea

O alto nível de glicose no sangue está relacionado com inúmeras doenças da modernidade, como a diabetes. A clorella e a spirulina mostraram grande eficiência na diminuição dos níveis de glicose no sangue. Em um estudo com a spirulina, os resultados foram realmente impressionantes e melhores do que os de medicamentos receitados para diabéticos, como a metformina (15, 16, 17, 18, 19, 20, 21).

  1. Melhora nos sintomas de rinite alérgica

A rinite alérgica é provocada por ácaros, pólens, mudanças de temperatura, mofo e outros fatores, ataca a mucosa nasal, sinus, olhos e garganta. Em um estudo com 127 pessoas, todos os sintomas, como congestão nasal, coriza, irritação e outros diminuíram dramaticamente, com uma dose de apenas 2 gramas diárias de spirulina (22, 23).

  1. Contribuem para perda de peso saudável

Estudos feitos com a clorella (24) e a spirulina (aqueles citados no item de diminuição da glicose sanguínea) indicam que estes superalimentos podem ser excelentes auxiliares para quem quer ou precisa perder peso. Apenas o fato de terem alto valor nutricional e baixíssimo valor calórico já contribui bastante para isso, principalmente se ingeridas antes das refeições, pois causarão saciedade e consequentemente menos apetite pelo que não é saudável.

  1. Protege a forma LDL do colesterol da oxidação

Os tecidos gordurosos do corpo facilmente sofrem alterações indesejáveis, chamadas de peroxidação lipídica, que é um fator determinante de diversos problemas de saúde, como doenças cardiovasculares e doenças degenerativas diversas (25, 26, 27). Interessantemente, os antioxidantes da spirulina são especialmente eficazes na redução deste processo de peroxidação lipídica, essa característica foi comprovada inúmeras vezes em estudos com animais e seres humanos (28, 29).

  1. Efeito protetor do fígado

A spirulina demonstrou um efeito extremamente eficaz de diminuição da gordura do fígado (esteatose hepática não alcóolica) com o uso contínuo de 3 meses (30).

  1. Fortalecimento do Sistema Imune

Estas duas microalgas beneficiam o sistema de defesas do corpo.

Em alguns estudos, a spirulina apresentou potente efeito de fortalecimento do sistema imune, com o aumento de células de combate (NK cells) e de neutrófilos (31, 32).

A clorella também apresentou melhoras no sistema imune em pesquisas, mostrando aumento do IgA (33).

 

  1. Efeito Neuroprotetor

A ficocianina presente na spirulina apresentou benefícios diversos para a saúde cerebral e cognitiva, com promissores efeitos terapêuticos. Sua atuação inclui função neuroprotetora contra toxinas, degeneração e inflamação, melhorando e prevenindo quadros associados à esses fatores, como o mal de Parkinson e o declínio cognitivo relacionado à idade ou à doenças diversas (34, 35, 36, 37, 38).

Estudos em animais também mostraram efeito surpreendente na prevenção do acúmulo de beta-amiloides, fator de grande peso no desenvolvimento de Alzheimer, indicando que a spirulina pode ter efeito preventivo e terapêutico para Alzheimer (39, 40). Além disso, o uso da spirulina foi associado à maior densidade neuronal, indicando um possível efeito de neurogênese (41, 42).

 

Conhecendo um pouco mais destas incríveis fontes nutricionais…

 


 

Clorella

Cada vez mais conhecida e pesquisada pelos seus efeitos na saúde, a clorella é uma alga unicelular, atualmente bastante utilizada e pesquisada. O nome vem do grego chloros, que significa verde, e do sufixo latino ella, que significa pequeno. Embora a clorella seja uma das plantas mais antigas na história do planeta, foi somente há cem anos que realmente descobrimos esta incrível microalga.

A clorella foi descoberta no final do século XIX por um microbiologista holandês, que deu a ela este nome. Mas foi somente no final da década de 1930, que um pesquisador na Alemanha detectou que a clorella contém uma quantidade elevada de proteína de boa qualidade. Este foi o início do “fenômeno” da clorella.

Hoje em dia, este suplemento tem crescido em popularidade nos EUA, e no Japão já é um dos suplementos mais usados. De fato, o uso da clorella no Japão é mais comum do que o uso de vitamina C nos EUA.

Esta alga começou a ser amplamente estudada no período crítico de escassez de alimentos após a Segunda Guerra Mundial.

Ela foi considerada uma fonte alimentar atraente por seu alto teor de proteína e outros nutrientes essenciais; quando seca, tem cerca de 60% de proteínas facilmente digeríveis e utilizadas, 9% de gorduras, 22% de carboidratos, 5% de fibras e 9% de minerais, vitaminas e clorofila.

Um dos problemas com a clorella que desacelerou seu crescimento como um superalimento até a década de 1960 é que a parede celular que circunda a clorella é indigerível, então ela precisa ser quebrada a fim de se obter os benefícios de seus nutrientes.

Atualmente, muitos produtores utilizam um processo de trituração que rompe sua parede celular dando acesso aos seus benefícios nutricionais.

O que realmente se destaca é sua notável capacidade de drenar toxinas para fora do organismo. Esta capacidade, por si só, seria motivo suficiente para incluí-la na alimentação, já que todos nós estamos suscetíveis a uma carga de poluentes e toxinas nunca antes vista na história da humanidade.

Outra característica única da clorella é o que foi chamado de CGF (Chlorella Growth Factor) por um pesquisador japonês que, intrigado com sua velocidade de multiplicação, descobriu que a grande quantidade de peptídeos e aminoácidos em seu núcleo era responsável por esse crescimento acelerado. Pesquisas indicam que o CGF fornece os componentes necessários para um saudável crescimento celular, ajudando no desenvolvimento do organismo.

 


 

Spirulina

Popularmente conhecida como uma alga e classificada como tal até a década de 60, a spirulina é de fato uma cianobactéria – uma bactéria unicelular que faz fotossíntese. As cianobactérias são mais antigas ainda do que as algas e junto com estas, são as grandes responsáveis pelo oxigênio de nosso planeta.

Seu nome provém de sua bela forma espiralada.

É uma “alga” de lago e tradicionalmente era consumida pelos astecas e outros povos da América Central e também da África.

A spirulina contém proteínas, vitaminas B1, B2 e B3, cobre, ferro, magnésio, potássio, manganês, carotenoides antioxidantes e a ficocianina com importantes propriedades terapêuticas. Contém também os ácidos graxos ômega 6 e ômega 3, bem como todos os aminoácidos de que precisamos.

Ao ser estudada, espantou os pesquisadores por sua densidade nutricional e foi selecionada pela NASA como uma das melhores fontes alimentares para ser utilizada no espaço.

Finalizando…

A grande vantagem destes suplementos é que são de fácil utilização no dia-dia, fornecem uma ampla e variada gama de nutrientes, antioxidantes e outras substâncias benéficas à saúde. Densamente nutritivos, com pouquíssimas calorias e sem nenhum tipo de efeito colateral.

Mas é importante ressaltar que a qualidade e a procedência fazem total diferença.

Algas absorvem os poluentes do ambiente sendo facilmente contaminadas com metais pesados e outros contaminantes. Além disso, outras espécies de organismo, que geram toxinas podem se proliferar num ambiente onde o manejo não é bem feito, oferecendo riscos à saúde.

Portanto seja criterioso ao selecionar seus suplementos. Nós trabalhamos com os produtos que consideramos de qualidade e pureza insuperáveis.

Acesse para conhecer:

Spirulina

Clorella

Referências:

  1. http://draxe.com/7-proven-chlorella-benefits-side-effects/
  2. https://authoritynutrition.com/10-proven-benefits-of-spirulina/
  3. https://authoritynutrition.com/omega-3-supplement-guide/
  4. http://draxe.com/7-proven-chlorella-benefits-side-effects/
  5. https://ndb.nal.usda.gov/ndb/foods/show/3341
  6. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20016697
  7. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12781705
  8. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2613958/
  9. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2695150/
  10. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19432881
  11. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8584455
  12. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3919363/
  13. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ptr.2650040605/abstract
  14. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19299804
  15. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24691130
  16. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12769719
  17. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4012879/
  18. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23121873
  19. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23368938
  20. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22561632
  21. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12639401
  22. http://www.bmj.com/content/321/7258/405
  23. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18800884
  24. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24331771
  25. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24324897
  26. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18343939
  27. http://online.liebertpub.com/doi/abs/10.1089/jmf.2006.0180
  28. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10459507
  29. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25547488
  30. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20370930
  31. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22497849
  32. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20560112
  33. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21906314
  34. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23028885
  35. https://jneuroinflammation.biomedcentral.com/articles/10.1186/1742-2094-8-9
  36. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10624795
  37. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17263087
  38. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20700612
  39. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20061605
  40. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21697639
  41. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21697639
  42. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23028885
  43. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26485478
  44. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26485478
  45. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7562085

Efeito de desintoxicação:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17472477/ (dioxinas)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21254891 (cádmio)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22504531 (chumbo)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23578649 (flúor)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16056210 (arsênico)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21514723 (cádmio)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18158240 (mercúrio)

 

 

7 replies on “12 razões cientificamente comprovadas para incluir microalgas em sua dieta

  • Giovana

    Adorei o artigo!

    Já tomo a algum tempo a clorella que foi receitada pela minha nutricionista. Não canso de ler artigos relatando os maravilhosos benefícios deste superalimento. Li um artigo em um blog que dizia que o ideal é tomar a clorella longe de bebidas que contém cafeína (café), pois interfere na absorção de seus nutrientes. Isto é verdade? Sempre tomo em jejum logo após tomo uma xícara de café puro.

    Responder
  • MARIA LUCIA SENNA

    GOSTARIA DE SABER SE POSSO TOMAR CLORELA ( alga de água doce) e espirulina (alga de água salgada) JUNTAS. ELAS FAZEM O MESMO EFEITO? UMA COMPLEMENTA A OUTRA? COMO UTILIZAR ?

    Responder
  • Geruza de Freitas Rocha

    Olá… boa tarde! alguma contraindicação ou efeito colateral no uso da clorela e da spirulina? Quem é alérgico a frutos do mar pode usar? Obrigada

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *